Mercado das Startups brasileiras em alta; investimento passa de R$ 50 bilhões.

O valor total captado por startups brasileiras supera a marca de US$ 9,44 bilhões, ou seja, mais de R$ 53 bilhões apenas em 2021. Confira todos os detalhes a partir de agora!
Anúncios


Startups brasileiras
Fonte: Google
Anúncios


O ano de 2021 será lembrado por muita agitação no mercado de ações, bem como na macroeconomia e política. Porém, existe um setor que tem apresentado expansão, e por incrível que pareça, recentemente tem sido acelerado pela pandemia da Covid-19, estamos falando das Startups Brasileiras.

Portanto, negócios tecnológicos, inovadores e escaláveis, triplicaram a captação do valor em comparação com o ano passado, feito marcado por grandes rodadas em dezembro. Para se ter ideia, de janeiro a novembro deste ano, as startups captaram cerca de US$ 8,86 bilhões com investidores, aproximadamente R$ 50,45 bilhões (cotação atual).

Os dados foram divulgados pela plataforma de inovação “Distrito”, e mostra também que o valor acima representa quase três vezes mais, dos US$ 3,1 bilhões adquiridos no ano anterior. Além disso, a estimativa é que a marca do triplo seja alcançada até o dia 31. O que parece ter ocorrido, pois grandes rodadas de investimentos realizadas em dezembro já totalizam mais de R$ 3,36 bilhões!

Anúncios


Veja como ficou a distribuição dos investimentos

A Shopper (compras inteligentes) recebeu R$ 170 milhões, para a Sami o valor foi de R$ 110 milhões, R$ 260 milhões foram para o site Arquivei.com, R$ 1 bilhão para a e-commerce Olist. E os investimentos continuaram, a Conta Simples (fintech) recebeu R$ 121 milhões, a Startup de plano de saúde Alice teve mais R$ 724 milhões na conta, R$ 203 milhões para a Ambar Tech, e R$ 768,5 milhões para a empresa Facily.

Com esses aportes, o total obtido pelas Startups atingiu a marca de US$ 9,44 bilhões neste ano, e como mencionamos o valor é mais que o triplo captado em 2020. Michael Nicklas e Monica Saggioro, sócios dos fundos Valor Capital Group e Maya Capital, informaram que os resultados são consequências do ciclo iniciado há algum tempo no Brasil.

Anúncios


Os empresários acrescentam ainda que “melhores talentos” estão deslocando para a área de tecnologia, gerando ótimos negócios e inspirando novos talentos a abrirem mais Startups, ou se juntar as que já existem. Além disso, os casos bem sucedidos atraem ainda mais capital de qualidade, tanto nacional quanto vindos de fora, tornando o empreendedorismo mais atraente.

Otimismo com empresas Tech ou tecnologias

Startups brasileiras
Fonte: Google

Segundo o sócio-diretor do fundo Mindset Ventures, Daniel Ibri, outros fatores explicam o fluxo de investimentos destinados as Startups brasileiras. Um desses motivos se deve a forte alta de liquidez, além do excesso de otimismo com negócios de tecnologia.

O período de menores taxas de juros incentivou novos investidores, que canalizaram capital em aplicações com ganhos mais elevados que renda fixa ao longo prazo. A liquidez juntamente com o otimismo do mercado de tecnologia, trouxe animação para mercados privados e públicos em todo o país desde 2020, evidenciada nos IPOs (oferta pública inicial) das empresas de techs.

Anúncios


Fatores como esses ocorreram também em outros países; ainda assim, os investimentos em Startups brasileiras aumentaram acima da média global em 2021. A base de dados da plataforma de informações Crunchbase, indicou que US$ 332 bilhões foram investidos em todo o mundo em negócios inovadores, tecnológicos e escaláveis, durante o ano inteiro de 2020.

Aportes no Brasil em Startups brasileiras

Os aportes passam de R$ 636 bilhões em 2021. Ou seja, o volume global dos aportes foi quase o dobro sobre ano, enquanto no Brasil o volume triplicou. Além disso, levantamento feito pelo Crunchbase entre novembro do ano passado e outubro deste ano, revela que em 2021, o Brasil ocupa a sétima posição como maior mercado global em termos de investimentos em empresas emergentes – Startups.

Alguns setores são considerados “mais aquecidos” entre o mercado das startups. Para se ter ideia, de janeiro a novembro de 2021, as empresas que apresentaram maior volume de investimentos são aquelas que atuam em serviços financeiros – Fintechs, o varejo – Retail tech, educação – EdTech, mercado imobiliário – Real estate, e mobilidade.

Anúncios


Em comum os setores têm o tamanho dos mercados sendo endereçados, e são categorias que compõem participação importante do PIB. Além do enorme espaço para a elaboração de soluções capazes de resolver grandes problemas. Por exemplo as fintechs, onde o imenso mercado uniu infraestrutura tecnológica e financeira bem desenvolvida. 

Projeções das Startups brasileiras para 2022

O cenário para 2022 se mostra mais desafiador e difícil para o mercado das startups. Afinal, os estímulos financeiros começaram a diminuir e as taxas de juros estão subindo em certos países, como EUA e no Brasil. Porém, alguns especialistas acreditam que juros altos não se traduzem em migração em grande volume do VC (Venture Capital) para investimentos de renda prevista ou fixa.

De acordo com o sócio-diretor da Mindset Ventures (Venture Capital), Daniel Ibri, a tendência macroeconômica obriga o investidor a fazer análises mais cautelosas do custo de oportunidades das startups. No entanto, os investidores em negócios tecnológicos, inovadores e escaláveis irão se manter pelo menos até junho de 2022.

Anúncios


Por último, no 2º semestre acontecerá as eleições para presidência do Brasil, e isso pode interferir nos aportes destinados para as empresas emergentes (Startups). Certamente os investidores irão aguardar para ver o que vai acontecer; assim como no começo da pandemia do coronavírus, onde os investidores deram “uma segurada” nos aportes.

O cenário para o ano que vem será de incertezas também por conta da nova variante da Covid-19, que tem feito vítimas em alguns países.  Mas em especial, o que deve “pesar” são as eleições presidenciais, e deve gerar especulações em diferentes mercados, inclusive para o VC (Venture Capital ou Capital de risco).